http://www.ricosurf.com.br/themes/ricosurf/

Oi Rio Pro 2017 - Adriano é campeão invicto

Autor: Administrador
Data da publicação: 17/05/2017 - 12:40h
Adriano de Souza venceu pela segunda vez no Brasil. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.

Adriano de Souza venceu todas as baterias que disputou no Oi Rio Pro 2017, venceu pela segunda vez a etapa brasileira realizada no Rio de Janeiro e agora é o vice-líder do tour.

Adriano de Souza. Esse é o nome do campeão do Oi Rio Pro 2017, quarta etapa do CT que voltou a ser disputada em Saquarema após longos 15 anos e que terminou nesta quarta-feira.

Em excelentes condições para o esporte em Itaúna, praia conhecida como o Maracanã do Surf, Mineirinho não deu chances para os seus três adversários neste último dia da prova e repetiu o feito de 2011, quando venceu pela primeira vez no Rio de Janeiro.

Nesta quarta-feira o campeão mundial de 2015 foi um triturador de adversários. A primeira vítima foi Joel Parkinson, australiano que achou um tubo no final da bateria do round 5 e eliminou o brasileiro Wiggolly Dantas. Mineirinho deu um gás no início e em duas esquerdas arrancou primeiro 8,67 e depois, com uma rasgada e uma batida vertical numa onda da série, faturou o maior score do evento: 9,83 pontos. O australiano ficou na necessidade de duas ondas para reverter o placar e ficou perdido no outside de Itaúna, sendo eliminado e terminando o evento na 5ª posição.

Adriano chegou perto do 10 em três ondas. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.

Adriano chegou perto do 10 em três ondas. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.



Na semi quem caiu diante de Adriano foi Yago Dora, o vencedor da triagem que eliminou três campeões mundiais no Oi Rio Pro 2017: o havaiano John John Florence (round 2), Gabriel Medina (round5) e o australiano Mick Fanning (quartas de final), esses dois últimos nesta quarta-feira.

Yago Dora terminou em terceiro lugar na sua primeira participação no CT. Foto: I

Yago Dora terminou em terceiro lugar na sua primeira participação no CT. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.



No confronto que valia vaga na finalíssima, Adriano mais uma vez iniciou forte, e com as notas 9,57 e 7,17 se distanciou muito de Yago. O campeão da triagem só surfou uma onda boa quando restavam cinco minutos para o final da batalha. A nota 8 o deixou precisando somente de uma onda, mas quase perfeita, 9,97, que ele não teve mais chances de conquistar. Na sua primeira participação no CT, Yago conquistou um excelente resultado: a 3ª posição.

Adriano foi a loucura com a torcida que lotou a praia de Itaúna. Foto: Iuri Cors

Adriano foi a loucura com a torcida que lotou a praia de Itaúna. Foto: Iuri Cors



O outro finalista saiu do duelo entre os australianos Matt Wilkinson e Adrian Buchan. Matt venceu o norte-americano Kanoa Igarashi na quinta fase, mesmo sendo muito ameaçado no final, e seu conterrâneo Owen Wright nas quartas, quando apresentou um forte surf de borda nas esquerdas.

Confira a GALERIA DE FOTOS das finais.



O caminho de Adrian até a final

Adrian chegou neste último dia já classificado para as quartas de final e dominou o confronto contra o sul-africano Jordy Smith, que também surfou muito bem, mas que não teve uma escolha de ondas tão boa quanto a de seu adversário.

Na semi Adrian voltou a fazer uma excelente escolha de ondas, rasgou forte as paredes das esquerdas e eliminou seu compatriota Matt.

Final

Adriano começou muito bem a final, mas Adrian pressionou com 9,20, numa esquerda surfada com força e estilo nas rasgadas. Mas Adriano fez o que já vinha fazendo antes: achou ondas com potencial para notas altas e soltou as manobras. Numa canhota que levantou uma boa parede, Adriano acertou uma sequência de snaps, levou a galera ao delírio na praia e arrancou 9,80 dos juízes, deixando o caminho livre a vitória.

Adriano de Souza na final. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.

Adriano de Souza na final. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.



"Queria muito agradecer a Deus pela vitória. Eu não sentia esse gosto desde dezembro de 2015 (campeão do Pipe Masters). Como todo mundo sabe eu batalhei muito, corri atrás dos meus objetivos e sempre fui muito dedicado, mesmo nos momentos mais difíceis.

Isso mostra o que é o nosso povo, que mesmo com todas as dificuldades sai todos os dias para trabalhar e sempre com um sorriso no rosto. Foi uma honra enorme fazer uma final contra o Adrian (Buchan). Eu disputo baterias contra ele desde a minha época de amador.

Eu só queria dizer mais uma coisa: obrigado! Obrigado a todos vocês que fizeram esse espetáculo, obrigado a WSL, obrigado a Oi, obrigado ao Governo do Rio, obrigado minha esposa, mãe, irmão, equipe e a todos vocês! Valeu!", disse Adriano na festa do pódio.

Com o resultado Adriano subiu da quarta para a segunda posição no ranking, e está empatado com o australiano Owen Wright e o sul-africano Jordy Smith com 24.400 pontos. O líder segue sendo o havaiano John Jonh Florence, que tem 24.750.

Veja também:

Galeria Oi Rio Pro 2017 - Os clássicos finais no Maracanã do Surf

Vídeo Oi Rio Pro 2017 - O campeão fala com o Ricosurf

O duelo eletrizante entre Yago e Medina

Ente as muitas disputas acirradas realizadas nesta manhã de quarta-feira, uma chamou a atenção de todos os brasileiros. Yago Dora escreveu seu nome nas quartas de final eliminando Gabriel Medina num confronto que terminou de forma emocionante. A bateria estava morna, com Medina na frente, mas restando 7 minutos para o fim Yago executou duas rasgadas e uma batida na junção surfando de frontside e virou o resultado.

O campeão mundial de 2014 passou a precisar de mais de 7 pontos. Nos segundos finais Medina remou, dropou, acelerou, voou alto sem rotação e aterrissou com tranquilidade. Mas ainda deu tempo de Yago vir na de trás e executar um aéreo rodando, que também foi feito com segurança. A primeira nota saiu e Medina virou o resultado, mas Yago voltou pra frente e ficou com a vaga nas quartas de final.

Gabriel Medina tentou a vitória nos instantes finais com esse voo. Foto: Iuri Co

Gabriel Medina tentou a vitória nos instantes finais com esse voo. Foto: Iuri Corsini / Ricosurf.


Na briga por uma vaga na semi Yago bateu outro campeão mundial. Dessa vez o australiano Mick Fanning ficou pelo caminho mesmo tendo a maior nota da bateria: 7,17. O confronto foi parelho, mas de poucas ondas e Yago venceu por uma pequena diferença.

Final

Campeão - Adriano de Souza (BRA) 17,63

Vice-campeão - Adrian Buchan (AUS) 17,23

Semifinal

1.a: Adriano de Souza (BRA) 17,97 x 11,97 Yago Dora (BRA)

2.a: Adrian Buchan (AUS) 16,97 x 11,60 Matt Wilkinson (AUS)

Quartas de final

1.a: Adriano de Souza (BRA) 18,50 x 11,00 Joel Parkinson (AUS)

2.a: Yago Dora (BRA) 12,44 x 12,34 Mick Fanning (AUS)

3.a: Adrian Buchan (AUS) 16,37 x 13,47 Jordy Smith (AFR)

4.a: Matt Wilkinson (AUS) 17,23 x 14,70 Owen Wright (AUS)

Quinta fase

1.a: Joel Parkinson (AUS) 16,00 x 14,16 Wiggolly Dantas (BRA)

2.a: Yago Dora (BRA) 15,67 x 14,83 Gabriel Medina (BRA)

3.a: Jordy Smith (AFR) 15,70 x 5,13 Julian Wilson (AUS)

4.a: Matt Wilkinson (AUS) 14,33 x 12,97 Kanoa Igarashi (EUA)

Ranking CT 2017 após a 4ª etapa

1 - John John Florence (HAW) 24,750

2 - Adriano de Souza (BRA) 24,400

2 - Jordy Smith (AFR) 24,400

2 - Owen Wright (AUS) 24,400

5 - Matt Wilkinson (AUS) 16,750

6 - Joel Parkinson (AUS) 16,150

7 - Kolohe Andino (EUA) 14,250

8 - Filipe Toledo (BRA) 13,950

9 - Caio Ibelli (BRA) 13,250

10 - Gabriel Medina (BRA) 12,750

11 - Mick Fanning (AUS) 12,650

12 - Adrian Buchan (AUS) 12,000

13 - Julian Wilson (AUS) 11,500

14 - Sebastian Zietz (HAW) 11,500

15 - Connor O'Leary (AUS) 10,450

Outros brasileiros

20 - Wiggolly Dantas (BRA) 9,000

25 - Italo Ferreira (BRA) 6,700

26 - Yago Dora (BRA) 6,500

27 - Ian Gouveia (BRA) 5,750

30 - Miguel Pupo (BRA) 4,500

30 - Jadson André (BRA) 4,500

35 - Jesse Mendes (BRA) 2,250

40 - Bino Lopes (BRA) 500

40 - Samuel Pupo (BRA) 500

Ricosurf / Por Carlos Matias





  • Notícias relacionadas

  •  

Outras notícias de Surf







Carregando dados...

mail

Cadastre seu email e receba conteúdos exclusivos, promoções e novidades do portal .com



© 2017. Todos os direitos reservados
  • Acompanhe o Ricosurf